comentar
r, em 26.01.10 às 13:03link do post | favorito

 

 

A câmara da Amadora responsabilizou hoje a Brisa e o proprietário do terreno pelo deslizamento de terras junto à CREL, provocando o corte da via, enquanto a concessionária referiu que o valor das portagens se vai manter.

 

O vereador da câmara da Amadora com o pelouro da Protecção Civil, Eduardo Rosa, disse à agência Lusa que a autarquia já tinha alertado o proprietário do terreno, que em tempos funcionou como aterro, e a concessionária da auto-estrada, a Brisa, para a possibilidade de acontecer um deslizamento de terras no local.

 

"Já tinha havido um conjunto de indícios e nós fizemos além daquilo que nos compete. A Brisa e proprietários são responsáveis por aquilo e contactámo-los. Fizemos notificações no sentido de chamar a atenção de que a zona não estava estável", disse.

 

O responsável adiantou que "a autarquia estava preocupada com a situação daqueles terrenos há muito tempo", embora nunca esperasse que "acontecesse um incidente com esta amplitude".

 

O deslizamento de terras ocorrido sexta-feira soterrou parte da via da CREL - Circular Regional Exterior de Lisboa - e obrigou ao corte de circulação entre o túnel de Carenque e o nó de Belas e, segundo a Brisa, este corte deve manter-se nas próximas semanas.

 

No local encontram-se 60 camiões e cinco escavadoras para retirar as cerca de cinco mil toneladas diárias de terra que deslizaram para a via.

 

Segundo o porta-voz da Brisa, Franco Caruso, circulam, em média, cerca de 40 mil condutores entre o nó de Belas e a ligação à auto-estrada A16, que agora têm que procurar alternativas para as próximas semanas, como sair no nó de Belas e fazer um percurso dentro de localidades.

 

Questionado sobre se os condutores que tiverem que sair da CREL para voltar a entrar alguns quilómetros mais à frente nesta auto-estrada vão pagar a totalidade das portagens, Franco Caruso respondeu que "as pessoas quando andam na auto estrada pagam por cada sublanço que utilizam" e, dessa forma, não será feito qualquer desconto ao preço que actualmente já pagam.

 

Inaugurada em 1995, a CREL contemplou a construção de dois túneis, o de Carenque (junto a Belas) e o de Montemor que em 1996 sofreu o primeiro incidente com a abertura de um buraco de três metros provocado por infiltrações alegadamente devido a problemas "no revestimento de betão".

 

Nesse ano, depois das infiltrações no túnel, foram os taludes laterais que se mostraram instáveis causando várias derrocadas e o desprendimento de pedras que provocaram sucessivos cortes parciais da via.

 

O então ministro do Equipamento, Planeamento e Administração do Território, João Cravinho, atribuiu esses problemas ao facto da auto-estrada estar desenhada em solos instáveis, considerando, na altura, que as "soluções construtivas ou de execução foram as menos adequadas".

 

JYR.

Lusa/Fim


Anónimo a 26 de Janeiro de 2010 às 16:17
Brisa contradiz Câmara da Amadora e acusa-a de “passividade”

http://www.publico.clix.pt/Local/crel-brisa-contradiz-camara-da-amadora-e-acusaa-de-passividade_1419788

Anónimo a 5 de Fevereiro de 2010 às 17:34
Corte da CREL: Câmara da Amadora terá autorizado despejo de terras no final dos anos 90....

http://sic.sapo.pt/online/noticias/pais/Corte+da+CREL+Camara+da+Amadora+tera+autorizado+despejo+de+terras+no+final+dos+anos+90.htm


VISITANTES
Counter
INQUÉRITO
EM QUE AREA DEVIA A CAMARA DA AMADORA INVESTIR MAIS??
EDUCACAO
DESPORTO
OBRAS MUNICIPAIS
AMBIENTE E HIGIENE URBANA
ACCAO SOCIAL
REQUALIFICACAO URBANA
HABITACAO
CULTURA
ESPACOS VERDES
  
pollcode.com free polls
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
27
28
29
30

31


blogs SAPO